Alimentação vegana: mudar pode valer a pena

A alimentação saudável e natural vem sendo consumida com mais frequência nos últimos anos. Muitas pessoas são adeptas pela questão da saúde, outros para perder peso e também há aqueles que apenas desejam mudar os hábitos. A maioria simplesmente busca não explorar os animais. Mas, você sabe o que é a prática do veganismo? A pessoa vegana não consome qualquer alimento derivado de animais, como carnes, peixes, ovos, laticínios e até mesmo o mel. Diferente do vegetariano, o vegano também não utiliza produtos de origem animal, ou seja, itens de beleza, artigos para casa e até mesmo no vestuário.

O projeto independente Mapa Veg tem o intuito de disseminar o veganismo e realizar um levantamento de dados por meio de cadastros entre vegetarianos, veganos e simpatizantes. Atualmente o Censo da iniciativa conta com mais de 28 mil assinaturas, sendo a maior concentração no estado de São Paulo, seguido do Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. O site também reúne diversos estabelecimentos em todo o Brasil que possuem opções de alimentação saudável e receitas veganas.

Os benefícios da alimentação vegana para o organismo são muitos, desde reduzir o risco de diabetes tipo 2 e melhorar o tratamento para aqueles que já apresentam a doença. Também é possível atingir um peso desejado, ter o melhor controle da pressão arterial, colesterol, e claro, uma maior consciência quanto o próprio consumo. Além disso, salvar animais de abatedouros e ajudar na sustentabilidade também são pontos interessantes. Ao não consumir produtos de origem animal, o indivíduo está contribuindo para a queda na demanda desses alimentos. Seja qual for o motivo, mudar os hábitos alimentares traz benefícios em outras áreas para a saúde. Tudo é consequência.

Após ter conhecimento sobre o veganismo por meio de uma amiga, ainda no ano de 2014, Nico da Rocha Ferreira buscou ler mais sobre o assunto. Desde então o adolescente de 16 anos parou completamente com o consumo animal. “Escolhi a alimentação vegana por várias razões, mas a maior delas foi quando eu tomei a consciência de que o nosso meio cultural em relação a carne e derivados é muito errado. As pessoas não tem noção de tudo que acontece antes do alimento estar no nosso prato, do sofrimento dos animais, de como a indústria fere o meio ambiente, e de como essas comidas não fazem bem pro nosso corpo”, destaca o estudante.

Já o estudante de ciências biológicas Bruno Mafioletti optou pelo veganismo após alguns anos sendo adepto ao vegetarianismo, mas acabou voltando atrás na decisão, pois encontrou muita dificuldade em encontrar refeições fora de casa. “Não é todo lugar que tem. Eu sabia que estava deixando de comer coisas que meu organismo precisava e como não tinha facilidade de encontrar alimentos em todos os lugares, acabei voltando a ser vegetariano. Mas acho muito importante pensar no futuro, nas consequências do consumo exagerado”, declarou em entrevista ao projeto Humans of Unisul.

Na região de Tubarão também há essa dificuldade, mas alguns estabelecimentos oferecem muitas opções de alimentação com qualidade. É o caso da Cozinha do sítio que produz pizzas, lasanhas, tortas, esfirras e empadões totalmente vegetarianos ou veganos. O restaurante Vita Light também apresenta opções mais saudáveis, como saladas, prato do dia, café e marmitas. Outros lugares oferecem opções no cardápio, como é o caso da hamburgueria Guna Madê, na cidade de Garopaba, que possui dois hamburguês veganos.

E você lembra do Nico? O adolescente também conta que teve dificuldade durante a adaptação, pois sempre comeu muita carne e derivados de animais. Porém, com acompanhamento médico e apoio conseguiu tornar-se vegano. É preciso ficar atento e ter alguns cuidados. Mesmo com muitos nutrientes que esta alimentação proporciona, é importante procurar ter auxílio de um profissional da área de nutrição para montar um planejamento alimentar correto. O nutricionista pode solicitar exames, dados sobre comportamento alimentar e atividades físicas, para controlar possíveis deficiências nutricionais e necessidade de suplementos alimentares.

Texto: Júlia Raquel