Crime ambiental presente no cotidiano do tubaronense

Descartar lixo em local inapropriado, colocar fogo em lixo. Práticas como essas, comuns no dia-a-dia de muitas pessoas são consideradas crimes. A lei de Crime Ambiental foi criada com o objetivo de inibir atividades de degradação da natureza.

Descartar lixo em local inapropriado, colocar fogo em lixo. Práticas como essas, comuns no dia-a-dia de muitas pessoas são consideradas crimes e muita gente não sabe. A lei de Crime Ambiental foi sancionada em 1998 com o objetivo de criar mecanismos para inibir atividades de degradação a natureza, quem descumprir essa regulamentação pode pagar multa e até detenção.

Além disso, práticas como essa além de prejudicar o meio ambiente, podem consequentemente interferir na nossa saúde e bem-estar. É o que afirma Joares May, professor dos cursos de Biologia e Medicina Veterinária da Unisul Campus Tubarão. “Essas leis são criadas para controlar ações que podem nos prejudicar”, destaca.

Especialista fala em crime ambiental

Joares usa como exemplo o Rio Tubarão e a quantidade de lixo descartada em suas margens, afirmando que isso pode influenciar na quantidade de doenças que aparecem na região. “Quanto mais degradação do lixo mais doenças” comenta. Ele exemplifica dizendo que essa ação pode fazer com que o ambiente vire um criadouro de mosquito, aumentando, por exemplo, os casos de dengue.

O professor ainda atenta a população para conscientização. “O maior impacto é daquilo que a gente não faz”, ressalta. É nas pequenas ações do dia-a-dia que podemos começar a transformar uma realidade que precisa ser mudada. As leis existem para ajudar a preservar o ambiente em que vivemos, mas essa iniciativa também precisa partir de nós mesmos.