Eleições 2018 em SC: partidos políticos seguem com nomes indefinidos para governo

Faltando exatamente três meses para terminar o prazo final de registro de candidatura para disputa nas Eleições 2018, Santa Catarina vive momento indefinido quando o assunto é pré-candidatos a governo do Estado. Segundo informações do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), os partidos políticos e coligações formadas para a disputa nas Eleições de 2018 terão até as 19h de 15 de agosto para requerer à Justiça Eleitoral os registros dos candidatos escolhidos nas convenções partidárias. As convenções para definir as candidaturas vão ser realizadas entre 20 de julho e 5 de agosto deste ano e as chapas devem ser inscritas até o dia 15 de agosto.

Enquanto os registros de candidaturas não são realizados, é possível levantar os pré-candidatos com base nas informações dos partidos políticos. Conheça abaixo os principais pré-candidatos ao governo do Estado de Santa Catarina nas Eleições 2018:

PT: O nome mais cogitado no Partido dos Trabalhadores é do Deputado Federal Décio Lima (PT), atualmente chamado de Décio Lima Lula, já que o próprio solicitou mudança de nome à Câmara dos Deputados. Contudo, a poucos meses o nome de Lédio Rosa de Andrade tem sido levantado entre os filiados ao PT. Há informações de que caso Lédio Rosa de Andrade aceite a candidatura, Décio dedicaria-se ao Senado. Décio Lima já foi vereador e prefeito da cidade de Blumenau, atualmente é deputado federal e se confirmada sua candidatura ao governo de SC tem como prioridade defender uma possível candidatura a presidente de Luiz Inácio Lula da Silva. Já Lédio Rosa de Andrade é desembargador do Tribunal de Justiça de Santa Catarina. Lédio Rosa de Andrade tem um passado de luta com os partidos de esquerda desde a política estudantil. No ano passado, transformou-se no principal  defensor do falecido reitor Luiz Carlos Cancellier de Olivo, morto depois da arbitrária e violenta prisão pela Policia Federal, na execução da Operação Ouvidos Moucos.
Apoio nacional: Com a prisão do ex-presidente Lula, ainda é indefinido o nome do candidato a presidente pelo PT. Alguns nomes cotados dentro do partido são o do ex-governador da Bahia Jaques Wagner e o do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad.

PSD: No Partido Social Democrático (PSD) dois nomes e uma aliança são cogitadas para candidatura ao governo do Estado de SC. São eles Gelson Merísio com uma possível aliança com Esperidião Amin (PP) e João Rodrigues. Tudo indica que Gelson Merísio será o então escolhido para candidatar-se, já que o Deputado Federal João Rodrigues foi condenado a prisão no regime semiaberto por situações de quando ele era prefeito de Pinhalzinho, na década de 1990. Gelson Merísio é administrador de empresas e deputado estadual, na política também já atuou como vereador. Suas principais bandeirantes são levantadas para saúde, segurança pública e educação.
Apoio nacional: O PSD vem sofrendo conflitos internos quando o assunto é pré-candidatura à presidência do país. Muitos já dão como certo uma aliança com o PSDB, ou seja, apoio a pré-candidatura de Geraldo Alckmin, que a pouco deixou o governo de São Paulo para dedicar-se a campanha política. Por outro lado, há forte apoio a candidatura do presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos. Em breve, deverá ser divulgado a decisão do partido.

MDB: Um pouco mais definido que os outros partidos, o MDB (para quem ainda não está familiarizado, é o antigo PMDB) vem divulgando o nome de Mauro Mariani como candidato ao governo. O deputado federal já foi prefeito de Rio Negrinho, deputado estadual e Secretário de Infraestrutura de Santa Catarina. Um dos maiores desafios do candidato do PMDB é lhe dar com a rejeição do atual presidente, Michel Temer. Mauro Mariani trabalha para renúncia da maioria da executiva nacional. Argumenta que os parlamentares denunciados pelo procurador-geral denigrem a imagem partidária e não têm condições de continuar no comando da sigla.
Apoio nacional: Há fortes indícios de que o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles seja o candidato a presidência do MDB. O próprio Presidente Michel Temer, que era um dos cogitados para vaga, afirmou que Meirelles “é mais” candidato. O nome de quem apoiará Mauro Mariani em rede nacional será definido apensa em julho.

PSDB: Martelo praticamente batido para o senador Paulo Bauer, que também já atuou como deputado estadual, deputado federal e vice-governador. Bauer também já atuou como Secretário Estadual de Educação de Santa Catarina. Paulo Bauer é o primeiro candidato a governo de Santa Catarina pelo PSDB e tem como bandeira a educação e a redução da carga tributária. Para as eleições 2018 o PSDB não está disposto a abrir mão de cabeça de chapa, e por isso tem a possibilidade de uma chapa pura. O que poderia atrapalhar a candidatura de Paulo Bauer é o pedido de abertura de inquérito da PGR (Procuradoria-Geral da República), onde Bauer é acusado pela PGR de receber R$ 11,5 milhões em doações via caixa 2 nas eleições de 2014.
Apoio nacional: Já oficializado pelo PSDB, quem será o candidato a presidência é o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. O pré-candidato a república já se afastou o cargo de governador para dedicar-se a campanha.

PP: O deputado federal Esperidião Amin é o nome cotado para a pré-candidatura ao governo de SC. As chances de aliança com o PSD são fortes. Tanto Amin, quanto Merísio discursam uma provável aliança. Com um vasto currículo político, o deputado federal levanta a bandeira da mudança política.
Apoio nacional: O PP ainda não tem nome definido para candidatura a presidência do Brasil, o que se esboça é uma aliança com o PDT, apoiando assim o pré-candidato Ciro Gomes.

As eleições estão marcadas para acontecer no dia 7 de outubro, caso vá para um segundo turno a data marcada é 28 de outubro.

Texto: Patrícia Amorim