Em queda livre: adrenalina a mais de 4 mil metros de altura

A ideia de pular de um avião e cair em queda livre por 45 segundos em uma velocidade de aproximadamente 220km/h tem se tornado cada vez mais convidativa para os fãs de adrenalina e esportes radicais. O paraquedismo, antes um recurso de guerra com problemas no impacto do pouso, é hoje um esporte que se torna cada vez mais seguro, sendo a maioria dos acidentes causados por negligência, não problemas técnicos.

Além da vontade e paixão por adrenalina, os interessados em praticar o esporte precisam ainda se encaixar em alguns requisitos e se matricular em escolas especializadas. Para realizar o salto é preciso ter acima de 16 anos, realizar exames médicos, já que a pratica é estritamente proibida a pessoas com problemas cardíacos, e participar de aulas teóricas e práticas em escolas certificadas pela Confederação Brasileira de Paraquedismo.

O risco do esporte é quase eliminado quando acompanhado de profissionais qualificados e treinados. Mesmo que a pessoa passe mal no momento, o paraquedas reserva se abre e garante sua segurança. A autora do MeJogueiNoMundo, Monique Bianchi, compartilhou a experiência do primeiro salto em seu blog: “São 15 minutos voando e foi muito divertido apesar do nervosismo. O que dá um certo desespero é o fato de o avião ser pequeno e ir lotado, você mal consegue se mexer! E de repente a porta se abre e nossa, a sensação é inexplicável! Céu azul, muito vento, muitas nuvens, e lá fora somente a paisagem de Google Earth”.

Em Santa Catarina existem algumas escolas de paraquedismo, como por exemplo, a SkyZimba, em Imbituba, e a Raspa Kamada, em Palhoça. O estado conta também com diversas áreas para saltos de paraquedas, em maioria localizados no litoral, e o site MundoCrux publicou um mapa com todas essas áreas. A altura em que o salto acontece no estado varia entre 4 mil metros chegando até a 10 mil metros, em uma velocidade de 220km/h.

Algumas pessoas, no entanto, vão além e transformam a paixão pelo esporte em profissão. Esses podem ser Rigger, ou seja, profissionais capacitados a manutenção, inspeção e desenvolvimento dos paraquedas, ou atletas que participam de competições que contam com diversas modalidades do esporte, sendo elas: Skysurf, Freefly, Estilo Precisão, Cross Country, Wing Fly, Freestyle e Base Jump.

Texto: Beatriz Goulart