Conheça escritores que são destaque na região

Com romances, suspense e fantasia, autores catarinenses ganham espaço na literatura

Muita gente  acredita que a literatura nacional não é mais a mesma ou que não se produz livros com qualidade como antigamente. Porém, uma nova leva de autores está mudando essa perspectiva. É fato que publicar um livro não é fácil, há concorrência, a corrida por histórias inovadoras e o difícil mercado editorial. Na  região de Tubarão jovens escritores têm sido destaque no ramo literário e integrado até mesmo a lista de mais vendidos da revista Veja.

Este é o caso da autora e booktuber Bel Rodrigues. A jovem tubaronense de 24 anos lançou em junho o primeiro livro solo, intitulado “13 segundos”, pela editora Galera Record. A obra aborda assuntos como compartilhamento de fotos íntimas na adolescência, fim de relacionamentos e a pressão da formatura.

A inspiração da história veio de uma experiência real. Aos 14 anos Bel presenciou uma amiga sendo vítima de revenge porn. Aos 15 anos finalizou o primeiro rascunho, logo após escutar durante meses o quão ingênua a foi vítima. “Aquilo tudo não fazia sentido pra mim e eu não tinha como conversar sobre. Algumas coisas só saem de mim por escrito”, relata a escritora em depoimento na plataforma Skoob.

 Pam Gonçalves, também booktuber, já possui cinco livros lançados: “O amor nos tempos de #likes”, “Boa noite”, “Turma da Mônica jovem: uma viagem inesperada”, “Uma história de verão” e “Heroínas”. Todas as obras apresentam mulheres fortes como protagonistas e abordam desde relacionamentos na adolescência até assuntos como abusos, festas e drogas.

“Heroínas” é o mais recente lançamento da escritora de Tubarão, junto com mais duas autoras, Laura Conrado e Raissa Tavares, que recriaram três clássicos da literatura mundial: Rei Arthur, Três mosqueteiros e Robin Hood. Pam garante que não é só uma simples releitura, mas também a transformação desses heróis em heroínas, dando ainda mais visibilidade para a representação feminina na literatura.

“Todas as grandes histórias que a gente tem do passado são homens conquistando coisas, ou fazendo grandes feitos e salvando o dia. Mas porque não empoderar essas mulheres e trazer essas histórias para os tempos atuais, transformando as mulheres em protagonistas dessa história? Estou muito feliz com o resultado”, comentou a booktuber em um vídeo do canal no Youtube.

Leonardo Bonomini começou a escrever aos 19 anos e hoje, com 32, conseguiu publicar o primeiro volume da saga “As crônicas de luz e trevas” por meio de uma editora da cidade de São Paulo. Intitulado Alfa e Omega, a ficção fantástica traz uma guerra entre o bem e o mal e como os personagens devem escolher um lado neste cenário. Escrita ao longo de dez meses, o jovem autor garante que não foi fácil, mas investiu muito no próprio sonho e acredita estar vivendo um dos melhores momentos de toda a vida.

Autores independentes buscam o seu espaço

Bel Rodrigues e Pam Gonçalves já possuíam um público fiel aos vídeos nos canais do Youtube, mas e quando você está começando e não tem contatos no mundo editorial? A vontade de escrever do autor Gean Zanelato surgiu ainda na infância e aos 12 anos escreveu as primeiras histórias. “Guerreiro”, lançado em 2015, foi o primeiro livro publicado pelo autor. A obra conta a história de um menino que tem problemas para se adequar aos padrões impostos pela sociedade por estar acima do peso. Na mesma semana em que lançou “Guerreiro”, ainda em 2015, Gean já começou a colocar no papel as novas ideias. Foram quase três anos escrevendo a história de “A teoria da bolha de sabão”, livro que aborda um assassinato e uma estudante acusada injustamente que precisa provar a própria inocência. Este foi lançado de forma independente e apenas para a plataforma digital.

“Eu sempre tive uma ideia muito fixa, eu queria muito ser um escritor, era o meu maior sonho e desde então eu estou lutando para conseguir chegar nisso”, afirma e mesmo assim o autor garante que o momento mudou e acredita que se tornar um escritor é algo que acontece em longo prazo. “Hoje eu tenho uma vontade de chegar lá, mas eu quero mesmo é curtir todo esse caminho e estar aberto a todas as possibilidades”, conta o autor.

Texto: Júlia Raquel