Microinfluenciadores digitais são sucesso de marketing na internet

Que os chamados digital influencers são sucesso de marketing na internet não há dúvidas. Esses carismáticos personagens conquistam a cada dia uma multidão de fãs e criam uma proximidade muito maior com o público do que, por exemplo, as celebridades tradicionais. Neste contexto, os microinfluenciadores digitais têm se destacado cada vez mais. Isso porque ao contrário dos macroinfluenciadores, que são generalistas, este grupo é composto por entendedores de nichos específicos como saúde e beleza, moda, maquiagem, decoração, viagens, e realizam parcerias com marcas para desenvolver campanhas de marketing no meio digital. É o caso do InstaBlogger tubaronense Jeferson Nascimento, com mais de 14 mil seguidores no Instagram. Ele recorda que foi necessário apenas um post em sua rede social para que fosse percebido como um influenciador. “Fiz um post no meu instagram em que tinha como foco principal uma camiseta que comprei em uma loja aqui da região. Muita gente veio me perguntar nos comentários aonde comprei, quanto paguei, etc. Com isso, a loja percebeu minha influência e me chamou para meu primeiro trabalho”, relembra.

O jovem de apenas 23 anos conta que desde o primeiro convite para trabalhar neste meio a vida foi ficando cada vez mais agitada. “Os trabalhos não param de vir. Hoje conto com uma assessoria que cuida da parte de contratos, que são geralmente fechados em permutas e uma parcela em dinheiro”, explica. Jeferson observa que grande parte das empresas que o procuram estão em busca maiores resultados para suas marcas. “Hoje, para que sua empresa seja reconhecida no mercado, além da sua qualidade ofertada é necessário um plano de marketing completo, e as redes sociais ocupam 70% desse plano. Muitas vezes as pessoas compram um produto ou realizam algum serviço que indiquei – clínicas de estética, por exemplo – e me marcam nas postagens ou enviam mensagens dando o feedback. É um trabalho que realmente dá resultado para as empresas”, destaca.

Relatório do “Global Digital 2018”, da We Are Social, revelou que o Brasil é o terceiro no ranking de quem passa mais tempo na Internet. Os brasileiros gastam, em média, 9 horas navegando na web. O país também aparece entre os primeiros quando o assunto é o tempo gasto nas redes sociais: são mais de 3 horas diárias. O universitário Oséias Vieira, 20, admite que passa horas navegando na web e que na maioria das vezes a opinião dos microinfluenciadores digitais é uma segurança a mais na hora de realizar suas compras. “Muitas vezes eles testam produtos que eu gostaria de comprar, mas que não são bons, e eu acabo conseguindo investir o meu dinheiro em produtos de melhor custo-benefício”, reflete.

A social media da Inspira On Marketing Digital e especialista em redes sociais Fabrine Jeremias garante: os microinfluenciadores trazem retorno para as marcas e esta é uma ótima maneira de divulgá-las em forma de relacionamento e não apenas com propagandas, muitas vezes não vistas pelo excesso de informação que as pessoas lidam no dia a dia. “Os microinfluenciadores têm grande poder de influência na vida de muitas pessoas. O que eles postam, falam e divulgam, tornam-se tendências. Claro que também precisamos pensar na estratégia, tudo depende da necessidade da marca”, orienta a profissional.

Para Fabrine, um ponto a ser mudado é que apesar de os empresários entenderem que as mídias sociais trazem resultados, eles não compreendem que os resultados podem ser significativos. “Precisamos promover essa discussão do novo consumidor e educar o mercado. Além disso, as pessoas que entendem e têm essa visão da importância de um trabalho profissional nas redes sociais, precisam mostrar resultados, mensurar o que for feito e apresentar de uma forma que fique de fácil entendimento aos empresários”, conclui.

Texto: Amanda Defreyn