Motociclista Guilherme Cascaes vai disputar apenas provas de Rally

Bruno Tomaz

Com a chegada da nova motocicleta, tubaronense que é bicampeão brasileiro de Enduro de Regularidade antecipa a ida para prova de velocidade

12809572_989271201153356_6238969465533629351_n

Guilherme Cascaes, piloto de motocicletas pela OrangeBH, competia nas duas modalidades: Rally e Enduro de Regularidade – onde sua atividade era mais. O tubaronense foi bicampeão brasileiro nessa categoria, pentacampeão estadual e três vezes campeão sul brasileiro. Ele foi ainda vice-campeão do Rally dos Sertões, em Goiânia/GO, categoria para a qual ele está focado no momento.

Guilherme começou no ano 2000 fazendo trilhas na região de Tubarão, e pouco tempo depois já estava disputando diversas competições. Mas não é tarefa nada fácil ser piloto, a rotina do atleta exige muita dedicação, como em qualquer outra modalidade. A semana de Guilherme se distribui em treinos com a moto, também muita atividade na academia e treinamento funcional. Além da alimentação saudável.

“Os treinos são bem puxados. Praticamente todos os dias é preciso estar cuidando do físico, seja com bicicleta, na academia ou com treinos com a moto. Chego a treinar durante 10 horas com a moto em apenas um dia nos finais de semana” diz Guilherme

Veja vídeo

A chegada da nova motocicleta nesta semana mudará o rumo da carreira de Guilherme. Depois de competir por sete anos no campeonato brasileiro de enduro de regularidade, agora o foco do atleta são as competições diversas de Rally, incluindo o famoso Rally dos Sertões , o qual foi vice-campeão em 2014. Guilherme almeja competir o Rally Dakar, que é a maior prova desse tipo no mundo – são 15 dias de provas e aproximadamente 10 mil quilômetros percorridos.  ” Agora começo a treinar com uma moto mais forte e mais pesada, ela tem 450 cc (cilindradas). No Rally as velocidades são mais altas e os trechos mais abertos, diferente do enduro, que as trilhas são mais fechadas e velocidades menores”, diz Guilherme.

Ele ainda diz que o motociclismo no Brasil  é pouco reconhecido e rentável . E que são poucos pilotos que conseguem sobreviver do esporte. “A maioria dos pilotos pratica a modalidade por hobby e possui outro trabalho, como no meu caso, que concilio os treinos com a administração de uma empresa de Refrigeração em Tubarão/SC”, conclui Guilherme.