Ronco, um problema que pode afetar sua saúde

Responsável por noites mal dormidas e até mesmo causador de divórcios o ronco afeta 35% dos homens e 18% das mulheres de meia idade, segundo pesquisa feita pela Associação Brasileira do Sono.

O ronco persistente pode ser sintoma de sérios problemas graves como a apneia.  Um ruído provocado pelo estreitamento das vias respiratórias superiores durante o sono. “O ronco é normal quando a pessoa deita de barriga para cima, pois há um relaxamento do dorso da língua e da musculatura. Há uma vibração nessa região, na laringe e úvula, causando o barulho específico”, explica o especialista em ronco e implantes dentários Sidnei Goldman.

Roncar incomoda o parceiro do lado e pode deixar tanto quem ronca quanto o parceiro irritados durante todo o dia seguinte, esse problema afeta 30% da população brasileira, geralmente pessoas que roncam costumam dormi de barriga para cima e com a boca aberta aumentando a facilidade para roncar. O ronco pode ser causado pelo cansaço do dia-a-dia ou um aviso sério a problemas que precisam ser tratados com prioridade trazendo risco para a saúde.

Causadores como flacidez nos músculos da garganta, uma amigdalite, as adnoides muito grande, desvio de septo, pólipos no nariz, sinusite, obstrução nasal, excesso de álcool, cansaço extremo e também obesidade. São causadores do ronco. Segundo o otorrinolaringologista do Hospital CEMA, Alfredo Lara, 70% dos roncos não são problemas sérios. “É como se fossem alterações estéticas”, diz ele. Em outros, o problema pode estar associado a apneia do sono um problema sério que precisa ser tratado com prioridade.

Como entender a apneia do sono

Uma síndrome obstrutiva que ocorre quando as vias respiratórias ficam completamente fechadas. A pessoa fica sem respirar por alguns segundos, quanto maior a pausa, maiores podem ser os impactos no organismo. Prejudicando no reflexo e capacidade de concentração, ou seja, ao invés do corpo relaxar durante o sono ele continua trabalhando.

Em entrevista ao R7, o médico Fausto Ito, especialista em distúrbios do sono, diz que a consequência disso é o aumento da produção de cortisol e adrenalina, hormônios relacionados ao estresse. Essas substâncias provocam resistência à ação da insulina no corpo e podem levar a pessoa a desenvolver o diabetes. A prevenção para apneia pode começar com a diminuição de peso, exercícios, para os fumantes deve-se fazer um esforço e largar o cigarro, e maneirar também nas bebidas alcoólicas.

Caso você ronca deve procurar um especialista que irá descobrir o seu motivo, e irá auxiliar ao melhor tratamento para o seu caso. Existem tratamentos desde cirurgias para correção de septo (separação das vias nasais) até aparelhos ortodônticos, isso irá variar muito para cada caso.

Existem algumas maneiras de prevenir o ronco e ajudar em casos mais simples como a perca de peso e atividades físicas regulares, evitar dormir de barriga para cima, a escolha de um bom colchão, a temperatura do quarto ambiente, nem muito quente ou muito frio, um bom travesseiro, e luzes e TV desligadas podem ajudar na concentração de uma noite de sono melhor evitando o ronco.

Antes de utilizar qualquer alternativa para evitar o ronco (como dilatadores nasais) procure um médico que irá descobrir os fatores do seu ronco e irá encaminhar para o melhor tratamento.

Texto: Marciele Carvalho Duarte