Coronavírus deixa população sem produtos farmacêuticos

Com o início da propagação do Corona Vírus, a população agiu de forma aterrorizada e comprou um estoque exagerado de produtos farmacêuticos, esses que servem para se prevenir do contágio.  Esse desespero se originou devido as diversas dúvidas das pessoas, do que seria necessário para combater esse vírus, que primeiro se espalhou pela China e hoje tem proporção global.

No Brasil, os cuidados começaram a multiplicar após o carnaval, e com os casos que começaram a serem confirmados pelo país, a procura por álcool, dos mais variados tipos, principalmente o em gel, começou a aumentar drasticamente, lembrando que ele já é um conhecido da população, de outros surtos, como o da Gripe Suína em 2009.

As máscaras de proteção também são um dos materiais mais característicos desse período, como o álcool em gel, elas desapareceram rápido das prateleiras. Nas farmácias, até a organização dos produtos mudou, aqueles que há tempo estavam “escondidos”, conseguiram um lugar de destaque para as vendas. Nos supermercados, os produtos foram se esgotando ainda mais rápido, devido à pouca variedade nos locais.

O que diz o empresário do ramo farmacêutico sobre esta procura

O empresário do ramo farmacêutico, Paulo Antonelli de Jacinto Machado, relata que os produtos mais procurados nos seus estabelecimentos são álcool em gel, máscaras, luvas, vitamina C, complexos vitamínicos, própolis e derivados que ajudam a melhorar a imunidade.

Sobre a reposição do estoque, Paulo afirma que a falta de máscaras é a maior dificuldade, pois muitas distribuidoras não têm o produto em estoque. Já o álcool em gel, estava abastecido com uma grande quantidade e, portanto, não houve a falta.

Essa crise também fez com que os produtos tivessem um aumento no preço, que é repassado aos distribuidores, mas isso transparece ao consumidor como se a farmácia estivesse se aproveitando da situação, o que de acordo com o farmacêutico, não é verdade.

“Esse aumento vem sendo causado por vários fatores como a falta de matéria prima, mas quem é cobrado sempre são as drogarias que não tem relação com esse aumento. Muitos produtos que estão em falta acabaram quase dobrando os seus valores como o caso da Vitamina C.”, afirma Paulo.

O movimento nas farmácias diminuiu bastante nos últimos dias, pois a população já está em isolamento para conter o vírus, e deve continuar assim até o dia 31 de março, devido ao decreto do Governador do estado.   

Confira: Rotina dos catarinenses muda após o decreto do governo.

Produção textual: Vinícius Barbosa.
Foto: Vinícius Barbosa.