Museus de todo o mundo abrem portas virtuais em tempo de isolamento social

Por Laura Remesso

Salas de cinema, teatro, bibliotecas, baladas e exposições de museus. São inúmeras formas de entretenimento cultural que precisam de aglomeração de pessoas para viver. Mas como sobreviver quando a mundo todo para de girar? Quando não há mais pessoas circulando nas ruas? Quando todas as formas de obter conhecimento e cultura estão fechadas e sem data para retorno? Diante da crise imposta pelo surgimento do novo coronavírus diversos âmbitos da sociedade sofrem com essa pandemia, como a cultura – que pede socorro.

É difícil, por hora, colocar no papel o grande impacto que a doença ocasiona na cultura. Porém, mesmo sem o retorno financeiro quase impossível de se adquirir neste momento, as empresas se adaptaram. Elas inovaram e decidiram entregar um conteúdo gratuito para que as pessoas não deixem de consumir cultura, mas que, ao mesmo tempo, sejam incentivados a permanecer em casa.

Percorrendo exposições sem sair de casa

Logo no início da quarentena contra a Covid-19, que aos poucos foi determina em quase todas as partes do mundo, diversos museus de arte e de história disponibilizaram parte, ou completa, de seus acervos de forma digital como alternativa durante nesse período. De museus nacionais a internacionais, de exposições com fotos a uma visita em 360º graus. Cada um oferece uma experiencia diferente e com produtos que, às vezes, só poderiam ser vistos no museu físico, em outra parte do mundo.

A estudante de publicidade e propaganda e grande consumidora de produtos culturais, Laura Giordani, recorreu a algumas exposições digitais e desta forma consegue passar pela quarentena de forma mais tranquila. “Dentro de toda a ansiedade e o tédio que ficamos dentro de casa, “sair” para visitar as exposições é algo super legal, porque acabou me deixando mais relaxada e consegui visitar várias culturas, pelas artes, sem sair do meu quarto”, relata.

Laura também observou que alguns museus disponibilizam um acervo novo e diferente nesses recursos digitais, o que acabou a deixando feliz de absorver outro material. “Sem contar que a divulgação pela internet, acaba também chamando as pessoas para conferirem o material visitando o espaço. E é capaz de quando a quarentena acabar, muita gente ir atrás desses lugares pra conhecer pessoalmente, coisa que não fariam se não fosse por isso”.

Toda via, ela ressalta a importância, depois que toda essa pandemia passar, da população visitar e dar valor aos museus, inclusive os que estão ao nosso lado. “É importante mostrar que precisamos saber apreciar esses conteúdos. Por exemplo, tem um museu na minha cidade que eu nunca consegui visitar, porque sempre está fechado. Tudo isso porque ninguém dá valor a história da própria cidade”.

Exposições virtuais (ou Realidade virtual em 360º)

Além das clássicas exposições, que disponibilizam imagens dos produtos, seus detalhes e histórias, há também a visita de forma 360º. Em parceria com o Google, museus e galerias de arte proporcionaram “tours virtuais”, com e captações de imagens por satélite. A visita é acompanhada em alguns pontos importantes, com um áudio explicativo para guiar a experiência.

Desta forma, a passeio acaba se tornando muito mais realista e de uma maneira mais próxima da realidade, parece até que o visitante está dentro do ambiente, tornando-se mais divertida e interessante. A ação, acontece por meio de uma plataforma chamada Arts & Culture, que utiliza a mesma estrutura do Street View, do Google Maps, e consegue proporcionar visitas gratuitas de todo o mundo. 

Entre a vasta lista de exposições clássicas ou com tecnologia, selecionamos algumas que encontramos para vocês. Aproveitem para apreciar os produtos culturais acessíveis neste momento, e que nos permitem adquirir conhecimento sem sair de casa.

Alguns exemplos de exposições e visitas em 360º para conhecer:

Leia mais: Como as igrejas cristãs estão lidando com a pandemia do Coronavírus