Palestras online discute “a nova comunicação e o pós-pandemia”

O jornalista esteve em bate-papo com alunos e profissionais da comunicação

Adaptação é a palavra de ordem durante o período de pandemia. A comunicação digital se tornou a principal aliada para cumprir as atividades de home office e de convívio com a sociedade. Nesta quinta-feira (25) o jornalista, Vinícius Dônola, esteve em um bate-papo digital com os alunos e profissionais de comunicação. A palestra teve início ás 19h15, pelo serviços de conferência remota Zoom e foi mediada pelo jornalista, Marcos Madeira.

Convidado pela Universidade do sul de Santa Catarina (Unisul) pelo curso de Comunicação Social, Vinícius falou sobre a nova comunicação e o jornalismo pós-pandemia. “A pandemia botou uma dinamite nos nossos preconceitos. Coisas que eram impensáveis para a nós, hoje são comuns nos noticiários. Eram coisas que já deviam acontecer para nossas novas formas de comunicação”, conta o jornalista.
Vinicius foi realista quanto a atual situação da profissão “Está difícil, mas eu tenho que dizer. Fui para cidades e locais que nem Bill Gates foi. Conheci muitos lugares pela denúncia ou pela contação de história. Talvez a gente tenha um novo nome no futuro, não sei o nome que vai ser dado para esse negócio, mas acredito que isso não vai acabar”, finaliza.
A palestra durou cerca de duas horas e terminou com a promessa do jornalista de um segundo encontro.
Vinícius Dônola
Vinícius Rosada Dônola começou a carreira aos 17 anos na extinta TV Metropóle afiliada da RedeTV!, na cidade de Campinas. Desde 1993 foi repórter especial da TV Globo, onde trabalhou para os programas Globo Repórter, Jornal Nacional e Fantástico. Ao longo de sua carreira, ganhou vários prêmios, como o Prêmio Tim Lopes, de jornalismo investigativo, e o Prêmio Vladimir Herzog, concedido anualmente a profissionais e veículos de comunicação que se destacaram na defesa da cidadania e dos direitos humanos e sociais.
Em março de 2009 foi contratado pela Rede Record, sendo apresentado oficialmente no Jornal da Record. Na emissora, ele foi correspondente em Nova York, repórter especial do Jornal da Record e apresentador eventual do Domingo Espetacular.
Vinícius também é autor da coleção de livros infantis paradidáticos “o oco do toco”. O primeiro volume virou peça teatral, percorrendo diversas cidades brasileiras. Escreveu também, “Submerso”, “O Pequeno CO2” e histórias das histórias que contei, que mostra como é estar na pele de um jornalista e para aqueles que sonham em um dia ocupar papel de destaque nas redações de notícias do país.