Tubarão se prepara para atender casos de COVID-19

O número de casos do novo coronavírus continua a subir diariamente em todo o país. Em Santa Catarina o número de infectados chegou a 197. Só na capital já são 40 casos confirmados. A cidade de Tubarão que registrou o primeiro caso suspeito no dia 13 de março, hoje (30) já contabiliza 13 casos confirmados, sendo oito diagnosticados pelo Laboratório Central de Santa Catarina (Lacen) e cinco diagnosticados por laboratórios particulares, portanto estão no aguardo de contraprova. Tornando-se um dos municípios da região sul catarinense com mais infectados.

De acordo com dados da Fundação Municipal de Saúde (FMS), além dos 13 casos confirmados de COVID-19, há 37 casos suspeitos, 306 descartados e 197 em monitoramento.

O diretor-presidente da FMS, Daisson Trevisol, afirma que o sistema de saúde do município de Tubarão esta preparado, com profissionais capacitados para o atendimento. É esperada também a chegada de dois mil kits de testes rápidos, que podem demorar de 10 a 15 dias para o recebimento.

Porém Trevisol, demonstra preocupação com relação a pacientes que necessitarão de UTI. Atualmente há sete pacientes ocupando a UTI do Hospital Nossa Senhora da Conceição, o que representa segundo o secretário de saúde da cidade, cerca de um terço dos leitos de UTI disponíveis do hospital. Sendo eles quatro confirmados com COVID-19 (um de Tubarão, outro de Urussanga e dois de Braço do Norte) e outros três que ainda aguardam resultado de exames (um de Tubarão, um de Pescaria Brava e outro ainda sem procedência identificada).

Para evitar uma sobrecarga no sistema de saúde, não só de Tubarão, mas em todas as regiões do país a recomendação segue sendo as mesmas: evitar ao máximo possível de sair de casa, aglomerações, compartilhar objetos pessoais e tocar olhos, nariz e boca sem que as mãos estejam limpas. Lavar bem as mãos com água e sabão ou com álcool em gel, cobrir o nariz e boca ao espirrar ou tossir com lenço de papel, e manter a distância de pessoas que possuem sintomas do vírus.

Créditos: Pixabay

Texto: Josilaine Gonçalves