Vacinação contra a gripe foi antecipada, mas faltam vacinas

O início da campanha de vacinação contra a gripe estava previsto para dia 13 de abril, mas acabou sendo antecipado para dia 23 de março, o que ocasionou falta de vacinas para pessoas pertencentes ou não aos grupos de risco.

Apesar de não ter eficácia contra o coronavírus, a vacina contra a influenza atua na prevenção de outro grupo de vírus que causam sintomas semelhantes a gripe comum e ao coronavírus, o que acaba se tornando, uma forma de agilizar a triagem das pessoas conforme os sintomas e evitar uma sobrecarga no sistema de saúde.

Alguns municípios encaram a falta de vacinas para toda a população desde o terceiro dia de campanha, suspendendo a vacinação até o recebimento das novas doses para poder retomar as aplicações.

No último dia 16, a segunda etapa de vacinação teve início em todo o estado, e nesta etapa serão vacinados caminhoneiros, portuários, presidiários, funcionários do sistema prisional, indígenas, motoristas de transporte coletivo e pessoas com doenças crônicas não transmissíveis. Para a terceira etapa estão previstas as imunizações dos professores, pois será quando ocorrerá o retorno as aulas.

Enquanto as vacinas não estão disponíveis nas quantidades necessárias, as pessoas devem se prevenir com uma frequência maior de higienização das mãos, utilizando álcool em gel quando não puder lavar as mãos e mantendo distância de outras pessoas ao sair de casa. Essas atitudes podem ser adotadas também na prevenção ao covid-19, e se possível, a melhor prevenção no momento, é o isolamento social, principalmente aos mais vulneráveis como idosos, cardíacos, hipertensos e pessoas com doenças respiratórias.

Foto: Reprodução

Matéria: Emanuella Alves